FINALIDADES DA PENA SOB A PERSPECTIVA SISTÊMICA: NÍVEIS DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA E POSSIBILIDADE DE EVOLUÇÃO

Douglas Lingiardi Strachicini

Resumo


A pena, modalidade de sanção penal e consequência jurídica do crime, está inserida dentro de um sistema que tem por objetivos a retribuição e prevenção. Este sistema está fundado em balizas normativas constitucionais, legais e principiológicas que necessitam funcionar de forma equilibrada nos vários momentos em que faz necessária a realização das finalidades da pena. O desequilíbrio ou desarmonia em qualquer das etapas produz um sistema falho que acarreta prejuízos não só à pessoa condenada como a toda a sociedade, fazendo com que a pena não alcance sua finalidade e os índices de criminalidade e violência aumentem. A elevação da finalidade da pena à categoria de princípio é uma alternativa encontrada dentro do próprio sistema para que possa haver a correção dos desequilíbrios que se evidenciaram na realidade brasileira, especialmente no descumprimento da função de prevenção especial positiva (ressocialização). Neste contexto, tem-se como imprescindível a observância do princípio da finalidade da pena por parte de todos os agentes que estejam envolvidos no Sistema de Justiça Criminal e de Execução Penal brasileiro, sob pena de o comportamento contrário acarretar o aumento da criminalidade, violência e impunidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio; SALLA, Fernando. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. Estud. av., São Paulo, v. 21, n. 61, p. 7-29, dez. 2007.

AMARAL, Cláudio do Prado. Um novo método para a execução da pena privativa de liberdade. Revista de Informação legislativa. Imprensa: Brasília, Senado Federal, Serviço de Informação Legislativa, 1964. Referência: v. 53, n. 209, p. 53-71, jan./mar., 2016.

AVENA, Norberto. Execução Penal. 5. ed., Rio de Janeiro: Forense, 2018.

AZEVEDO, André Boiani e; FURLAN, Erika Chioka. Finalidade da pena ante o princípio da necessidade das reações penais. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito, v. 10, n. 10, 2013, p. 138-155.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BRITO, Alexis Couto de. Execução penal. 5. ed., São Paulo: Saraiva, 2019.

CABRAL, Rodrigo Leite Ferreira. Acordo de não persecução: É uma boa opção político-criminal para o Brasil? In: 30 anos da constituição de 1988 e o Ministério público: avanços, retrocessos e os novos desafios. CAMBI, Eduardo; ALMEIDA, Gregório Assagra de; MOREIRA, Jairo Cruz. (orgs.). Belo Horizonte: D’Plácido, 2018.

CARVALHO, Salo de. Antimanual de criminologia. 6. ed., São Paulo: Saraiva, 2015.

CUNHA, Rogério Sanches. Manual de direito penal: parte geral. 7. ed., Salvador: JusPodium, 2019.

CURY, Augusto. Ansiedade: como enfrentar o mal do século – a síndrome do pensamento acelerado: como e porque a sociedade adoeceu coletivamente, das crianças aos adultos. São Paulo: Saraiva, 2014.

DIETER, Maurício Stegemann; ALMEIDA, Caio Patrício de. O eterno retorno a um destino desumano – a aposta segregacionista da lei anticrime. In: Lei Anticrime: um olhar criminológico, político-criminal, penitenciário e judicial. GONÇALVES, Antônio Batista. (coord.). São Paulo: Thomson Reuters, 2020, p. 45-62.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 42. ed., Petrópolis: Vozes, 2014.

GONÇALVES, Antônio Baptista. Do código penal à lei anticrime: endurecimento, repressão e desigualdades. In: Coleção 80 anos do código penal. vol. IV – temas atuais de direito penal. REALE JÚNIOR, Miguel; MOURA, Maria Theresa de Assis. (coords.). São Paulo: Thomson Reuters, 2020, p. 33-58.

GOULART. Marcelo Pedroso. Elementos para uma Teoria Geral do Ministério Público. Belo Horizonte: Arraes, 2013.

JESUS, Damásio de. Direito penal. Vol. 1, 37. ed., São Paulo: Saraiva, 2020.

MARCÃO, Renato Flávio. Curso de execução penal. 11. ed., São Paulo: Saraiva, 2013.

NUCCI, Guilherme de Souza. Curso de execução penal. 3. ed., Rio de Janeiro: Forense, 2020.

ROIG, Rodrigo Duque Estrada. Execução penal: teoria crítica. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2018.

ROSA, Alexandre Morais da; KHALED JR, Salah H. Direito penal mofado: a lenda conveniente da ressocialização. Justificando. São Paulo, 2014. Disponível em: Acesso em 23 mar. 2021.

SAMPAIO, Martim de Almeida. Do Brasil colônia à lei anticrime: a herança da desigualdade e da repressão. In: Lei Anticrime: um olhar criminológico, político-criminal, penitenciário e judicial. GONÇALVES, Antônio Batista. (coord.). São Paulo: Thomson Reuters, 2020, p. 45-62.

SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal: parte geral. 9. ed., São Paulo: Tirant lo Blanc, 2020.

STEFAM, André RIOS GONÇALVES, Victor Eduardo. Direito penal: parte geral. 7. ed., São Paulo: Saraiva, 2018.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro: parte geral. 14. ed., São Paulo: Thomson Reuters, 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil